Uma bonita história: Trocava mensagens de amor em código morse

Na cidade mineira de Piumhi, Edson Lopes da Cruz (1920 – 2016) começou a aprender código morse com apenas 15 anos. Não por causa dos filmes de espionagem, mas por uma questão profissional. Estava começando a trabalhar como telegrafista nos Correios.

Ao todo, Edson dedicou 35 anos à empresa e desenvolveu uma paixão pelas mensagens codificadas que iam muito além do prédio dos Correios e do horário comercial.

Nas folgas, usava os códigos para mandar declarações de amor para Lila, uma colega de trabalho, que mais tarde virou sua mulher. Ele mesmo ensinou à jovem os sinais.

Também usava a telegrafia para mandar mensagens por radioamador. Com o prefixo PY4-BGQ –Brasil, Grande e Querido, como gostava de dizer– se comunicava com o mundo todo. Fazia questão de guardar os cartões de confirmação das mensagens como prova do seu alcance.

Seu conhecimento sobre o telégrafo também influenciou sua ida para a Segunda Guerra (1939-1945). Voluntário, Edson fez todo o treinamento em São João del Rei (MG), mas não embarcou para a Europa. Disseram-lhe que havia poucos profissionais na sua área no Brasil, não podiam abrir mão do trabalho dele.

Mudou-se para Belo Horizonte após a aposentadoria, nos anos 70. Ficou no mesmo apartamento, no bairro Carlos Prates, até o fim. Sem nunca parar de mandar mensagens.

Complicações devido a um AVC o levaram à morte no último dia 5, aos 96 anos, deixando sete filhos e seis netos.

A missa de 7º dia será às 19h30 desta quinta (11) na capela do Colégio N. Sra. da Piedade, bairro de Calafate, BH.

Fonte: Jornal Folha de SP

.

Apoio na divulgação

mania de metal

ethos-125x125px SV_ads_125x125px_black copy TST_ads_125x125px

.

Deseja divulgar sua loja ou produto aqui? botao_fale_conosco

.

.

Flag Counter

.

Comments

comments

PY2-QX PY2-394SWL PX2-D6222 PY2QX